Arquivo do mês: abril 2010

Lançamento do livro do Fabio M. Said

Oi pessoal!

Um lembrete. Não se esqueçam do lançamento do livro do Fabio Said neste fim de semana, dia 30 de abril. Pelo sumário é possível ter uma ideia do conteúdo do livro que vai tratar da tradução pelo seu lado prático, o que, pelo menos para mim, é mais interessante do que vários livros de teoria da tradução. Quem quiser saber mais sobre o lançamento e o livro clique aqui.

Abraços do André.

3 Comentários

Arquivado em Alemanha, Brasil, Livros

E com vocês, o verdadeiro HB-Männchen!

Nos posts anteriores, nos esquecemos de apresentar a personagem mais importante nessa história: o HB-Männchen.  Esse senhor era a figura principal da antiga campanha publicitária dos cigarros HB na Alemanha — aliás, nem sei mais se essa marca existe. A campanha seria impensável nesses nossos tempos de leis antitabagismo. Mostra um homenzinho (por isso Männchen) às voltas com problemas absurdos, que vai se esquentando até explodir como um foguete. E a única coisa que o acalma é fumar um HB. A figura virou sinônimo de gente esquentada. Mas vejam vocês mesmos uma propaganda original.

1 comentário

Arquivado em Alemanha, Publicidade

HB-Frauchen

A vantagem de ter dois autores no blog é essa: nem sempre somos da mesma opinião. E como a nossa proposta é mesmo trazer para cá as nossas conversas e partilhá-las com vocês, é isso que eu, Bete, vou fazer agora.

Concordo com o André quando diz que mulheres, infelizmente, nem sempre são levadas a sério quando reclamam ou exigem seus direitos. Mas questiono se isso é uma característica particularmente brasileira e, principalmente, se as coisas na Alemanha são assim tão diferentes. E mais: mesmo correndo o risco de levar paulada, pergunto se essa “falta de respeito” não é resultado também da postura que muitas de nós, mulheres, assumimos voluntariamente, tentando ser boazinhas e educadas (e não me excluo desse grupo). Mas vamos por partes.

Quando saí do Brasil, com 23 anos, eu não era exatamente um exemplo de mulher emancipada. Para falar a verdade, essa questão nunca me interessou muito e continua me interessando pouco. Afinal, o que é “emancipada”? Ganhar seu próprio dinheiro, morar sozinha, viver com o namorado mesmo sem casar, fazer topless na praia, comprar briga sem medo? Só isso? Eu morava com meus pais, exercia uma profissão que me dava satisfação e pouco dinheiro, tinha os amigos que queria, estudava o que queria, estava razoavelmente satisfeita com a vida que levava. Isso devia ser emancipação suficiente.

Nos primeiros anos de Alemanha, como meu marido ainda estudava e naquela época os cursos à noite ainda não haviam chegado nesse país tremendamente desenvolvido, quem ganhou dinheiro para pagar aluguel e despesas da casa fui eu. Minhas amigas brasileiras achavam isso muito natural. As alemãs perguntavam por quanto tempo eu ainda planejava fazer isso e o que faria quando engravidasse. Foi a primeira vez que ouvi essa pergunta — filhos ou trabalho? Na minha terra e no círculo de pessoas com quem eu convivia, não era preciso escolher,  era normal seguir a vida com as duas coisas, dá-se um jeito. Para minha surpresa, muitas alemãs emancipadas, que levavam o namoradinho para dormir com elas em casa já aos 17 anos, desistiam de suas profissões assim que um marido aparecia acenando com um bom salário. Já meu pai, um cara extremamente conservador, que se contorcia ao ver as filhas de saia curta e reclamava quando elas chegavam em casa depois da meia-noite, mesmo depois dos 18 anos, queria que as filhas tivessem uma profissão para “não depender de marido se um dia ele tratar ela mal”. Onde está aqui a emancipação?

Conheci muitas brasileiras que sofreram no mercado de trabalho alemão por não serem tratadas da mesma forma que os homens. Principalmente nas profissões técnicas e nas grandes empresas alemãs, as mulheres ainda são vistas frequentemente em cargos com menos responsabilidade e quase sempre ganhando menos que os colegas que exercem exatamente a mesma função. De fato, a diferença entre os salários de homens e mulheres vem aumentando nos últimos anos e hoje gira em torno de 23%, como mostra um artigo na revista Der Spiegel. Embora esse fenômeno não seja exclusivamente alemão, já que ele existe também em muitos outros países, isso talvez corrija um pouco a imagem da alemã emancipada. O mesmo artigo indica, por exemplo, que essa diferença é menor em países europeus tidos como mais “machistas”, como Portugal e Itália (que tem o menor índice, com apenas 4,9%).

Mais que isso, o que me chama a atenção na sociedade alemã é a associação feita entre mulher bem-sucedida e comportamento masculinizado (uso a palavra na falta de coisa melhor no momento). Explico com uma historinha vivida há muitos anos e que me ensinou como as coisas funcionam por aqui. Eu estava na fila da sorveteria, esperando ser atendida. Quando chegou a minha vez, um grandalhão atrás de mim soltou a voz de tenor pedindo o sorvete dele. Eu olhei para trás e disse que eu estava na frente. Ele respondeu que eu não tinha dito nada, então eu perguntei: “O senhor quer que eu faça o quê, que eu grite?”. E a resposta foi “Na klar!”  (claro!).  Ali eu aprendi que os alemães levam você  mais a sério se você falar alto. Entendi por que meu marido tinha brigas homéricas com a mãe por causa de merrecas e por que minha sogra era uma pessoa que se exaltava ao telefone para pedir uma simples informação. As pessoas na Alemanha falam alto para serem realmente ouvidas. E isso é uma característica que se encontra também no mundo profissional. Muitas das mulheres em cargos de chefia nas empresas alemãs têm um perfil dominante e são às vezes mais temidas que seus colegas homens. Para serem vistas, ouvidas, “respeitadas”, elas tendem a exagerar.

Pessoalmente, tenho dúvidas se essa é uma estratégia que funciona bem no Brasil. A começar pelo fato de que falar alto nem sempre dá bons resultados entre brasileiros, seja o grito dado por um homem ou uma mulher. Muitas vezes o que pode acontecer é o tiro sair pela culatra e você não receber o que é seu direito, justamente porque gritou.

Minha mãe, por exemplo, adora gritar, pelo menos dentro de casa e principalmente com a empregada. E vive reclamando que tudo ficou difícil depois que meu pai morreu, que uma mulher não é levada a sério pelos homens, que se fosse meu pai resolvendo as coisas, os problemas não existiriam. Mas, outro dia, ela precisou ir à Cedae resolver um problema de abastecimento de água no apartamento de um inquilino. Primeiro, foi sozinha, conversou com um rapaz “muito educadinho”, jogou aquela conversa dos cabelos brancos, a dor na coluna, o dinheiro pouco da aposentadoria. O rapaz explicou lá para ela um jeito de resolver a coisa e pediu que voltasse outro dia com mais um documento qualquer. Ela voltou, dessa vez levando o inquilino, pois achava que ele, como homem, saberia explicar e entender melhor a coisa. Deu uma confusão danada, o inquilino é um tipo esquentado, o rapaz “educadinho” esqueceu dos bons modos e mandou o inquilino ver se ele estava na esquina. Ontem minha mãe me disse que vai voltar à Cedae. Quando eu perguntei se vai levar o inquilino, a resposta veio rápida: “Deus que me livre! Ele só ia complicar ainda mais, eu vou sozinha!”.

Ou seja, a HB-Frauchen pode funcionar bem na Alemanha. Mas no Brasil, tenho minhas dúvidas.

O que precisamos, sejamos nós mulheres ou homens, é simplesmente ter mais consciência de nossos direitos e não ter medo de exigi-los quando chegar a hora. Se isso vai ser feito no grito ou não, é uma escolha pessoal. Eu não gosto de gritar, faz mal à garganta. Mas dizem que minha veia na testa cresce quando a coisa começa a ficar séria.

Haveria outras coisas para discutir, como a imagem dos homens alemães que colaboram nos afazeres domésticos e os brasileiros boas-vidas que mal sabem fritar um ovo. Há muito folclore nisso, mas é conversa demais para um post só. Por isso, passo a palavra para quem quiser comentar.

2 Comentários

Arquivado em Alemanha, Brasil, Comportamento, Uncategorized

HB-Männchen I

Quando estava bravo, meu pai costumava dizer “estou fulo da vida”. Era a expressão daquela época, fim dos anos 70, começo dos 80. Pois assim estou eu hoje.

Quando fui para a Alemanha, em Janeiro de 1996, ainda não tinha nem ideia do quanto as mulheres eram respeitadas e tinham o seu lugar na sociedade por lá, como continuam sendo e tendo (ainda que algumas amigas alemãs digam que não é bem assim). E devo ser sincero, também aprendi a respeitar mais ainda esse aspecto, pois cresci no meio de mulheres, já que em casa éramos 3 irmãos e a família: eu, minhas 2 irmãs, minha mãe e minha avó (meu pai era viajante e estava sempre fora). E, como se diz em alemão, eu era “o galo no cesto” (“der Hahn im Korb sein” – uma expressão usada para dizer que a pessoa é o único homem entre várias mulheres), sendo bastante bajulado pela minha avó e minha mãe (não preciso dizer o que minhas irmãs achavam disso…). Mas ainda assim me lembro que ajudava em certas tarefas da casa que meus amigos da escola não faziam.

Crescendo assim no meio delas, também aprendi a respeitá-las mais ainda e aprimorei esse respeito nos 13 anos que passei na Alemanha. Quando voltei ao Brasil, vi que muitos aspectos da sociedade tinham melhorado e que outros continuavam como antes. O desrespeito às mulheres é um destes aspectos que continua como antes, salvo algumas exceções.

Explico – minha namorada-esposa está tendo aulas de direção na Auto-Escola para perder o medo de conduzir e poder aproveitar melhor a vida dirigindo por Ribeirão Preto sem ter que depender do transporte público da cidade que, como em qualquer outra cidade brasileira, é muito ruim. Só que o instrutor dela, apesar de ser muito competente e estar conseguindo fazer com que ela perca o medo, não respeita os horários, desmarca as aulas quando bem entende, marca aula e não vem, deixando claro que, como ela é mulher, ela pode esperar e tem de aceitar as suas explicações.

Pois um dia desses, ele faltou, não avisou e quando foi questionado sobre não ter vindo dar aula à ela, deu uma desculpa qualquer e achou que ia ficar por isso mesmo. Ligou no outro dia antes das oito da manhã (!!!!) e queria marcar aula para ela. Eu, muito educadamente, soltei o verbo. Disse-lhe tudo que pensava, sendo interrompido por uns “ah, não é bem assim”, “você está interpretando mal”, “não, eu me enganei sobre o dia” e “mas eu vou repor esses minutos em falta”, entre outras frases com intenção de se desculpar. Depois dessa conversa espero que não aconteça nada mais, pois outro aspecto que tenho constatado é que eles respeitam mais quando um homem fala do outro lado da linha.

A Bete me contou sobre um comercial de cigarros na Alemanha que passava antes de eu botar meus pés por lá e disse que eu devo parecer com o tal homenzinho, HB-Männchen, quando estou nervoso. Pois pareço mesmo, só que me seguro, pois isso de “dar piti” e “fazer barraco” gasta muita energia. Mas é mesmo um absurdo o quanto eles vão desrespeitando e mais, e mais, até que a pessoa fica brava e começa uma discussão, pois não aguenta mais “tanta folgação”.

E aqui começo a falar das exceções que são respeitadas no Brasil, as mulheres que são ouvidas. Costumam ser as tais “barraqueiras” ou aquelas que ficam bravas e não deixam as faltas de respeito passarem despercebidas. Aí os homens latino-americanos começam a tratá-las melhor e suas palavras são ordens. Me lembro da minha irmã que mudou bastante e não permitiu que fizessem isso com ela nunca mais, tornando-se uma “barraqueira”, mas a verdade é que se elas não adotam essa posição, nunca são ouvidas. Há outros meios também, no entanto, tenho constatado que esse é o mais eficaz (para não falar de uma amiga que é delegada e quando a tratam mal, ela sabe muito bem o que fazer). Infelizmente é assim, pois realmente custa muita energia, nervos e mal-estar. É o preço a se pagar para ser respeitada.

Imagino certas amigas alemãs passando uma situação destas. Tenho certeza que elas fariam “picadinho” do sujeito.

Espero que isso mude um dia, enquanto eu ainda esteja neste mundo para poder presenciar.

Vou ficando por aqui.

Abraços do André

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento

Eyjafja duzinferno

É difícil, na Alemanha, passar por situações semelhantes à recente catástrofe no Rio. Mas de vez em quando elas acontecem, embora as consequências nem sempre sejam tão trágicas. Os rios europeus também transbordam, chuvas, granizos, nevascas e furacões também assolam essa região. Há poucos dias mesmo houve um deslizamento no Tirol que soterrou o vagão de um trem. Só que, de um modo geral, os planos de emergência e a infraestrutura dos países como a Alemanha e a Suíça seguram bem a barra e ajudam a superar as dificuldades rapidamente.

Essa semana, porém, a natureza de um país meio desprezado pelo umbigo europeu resolveu mostrar quem manda e providenciou uma baita erupção vulcânica na Islândia. Vejam o vídeo no youtube:

O que no início da semana ainda era motivo de matérias divertidas nos jornais da TV, mostrando turistas islandeses curiosos, acompanhados da família, vendo a lava escorrer, hoje virou uma dor de cabeça séria para a aviação.  Uma nuvem de cinzas se espalhou por grande parte do continente, impedindo o tráfego áereo, não pela pouca visibilidade, mas pelo fato de que as partículas de cinza provocam a parada das turbinas dos aviões. Os principais aeroportos europeus estão fechados, centenas de vôos cancelados, milhares de passageiros impedidos de seguir viagem, sem previsão de quando a coisa vai melhorar. Geólogos já declararam à revista Der Spiegel que é impossível prever a duração da erupção e temem que a atividade possa até causar a erupção de outro vulcão maior, situado também sob uma geleira, o que poderia causar explosões e inundações.

Na verdade, a tendência é piorar. Os controladores de voo, que se encontram em negociações tarifárias, anunciaram  uma greve para a semana que vem. Com isso, mesmo aeroportos não afetados pela nuvem ficariam paralizados.

Eu estava tentando marcar minha passagem hoje, mas resolvi esperar. Tive pena da funcionária da agência, às voltas com o programa de reservas que mudava a lista de voos disponíveis a cada cinco minutos– “tem um aqui, não tem mais, voltou de novo, talvez tenha, falta confirmar”. Sem falar que os preços das passagens disponíveis subiram rapidamente.

Enfim, tudo isso por causa de um vulcãozinho que, ainda por cima, tem um nome que é uma safadeza para quem não é islandês: Eyjafjallajökull. Quem quiser se aventurar a dizer isso aí em voz alta encontra ajuda também na revista Der Spiegel. Entrem aqui e procurem na página à esquerda, abaixo da lista de aeroportos, uma foto do vulcão com o título “Eyjafja…hä?” (Eyjafja.. hein?). Clicando o botão abaixo da foto, vocês vão ouvir a pronúncia correta.

E é a Bete se despedindo por hoje.

Deixe um comentário

Arquivado em Aviões, Natureza, Viagem

Por falar em Páscoa…

É a Bete, pessoal.

Na verdade, eu pretendia escrever só amanhã e nada sobre a Semana Santa. Estava aqui aproveitando meu dia de pijama e vendo o infalível Ben-Hur na TV. Mas não podia deixar passar em branco o que acabei de ver no telejornal, logo que o filme acabou.

Assim como o Ben-Hur sempre dá o ar de sua graça na Sexta-Feira Santa, podem contar que também vai haver uma reportagem qualquer sobre os fiéis e turistas na Via Dolorosa, é batata.  Foi uma dessas que mostraram depois do filme, com as imagens de praxe e o repórter entrevistando alguns dos presentes na multidão debaixo de sol.

Os comentários de pessoas de diferentes nacionalidades podem não ter sido sintomáticos para cada uma das culturas ali representadas, mas tive que rir quando ouvi o entrevistado alemão. Confiram vocês o que acham:

— Queremos ver de perto aquilo que Jesus passou. (turistas americanas)

— Este é um dia muito triste, estou muito triste. (freira da Indonésia)

— É um espetáculo gigantesco, mas totalmente caótico! (turista alemão)

Feliz Páscoa para todos!

4 Comentários

Arquivado em Datas religiosas