Arquivo do mês: julho 2010

Marido de quem?

Esse negócio de blog é divertido. Eu escrevo com prazer e escreveria mais, se o tempo não fosse sempre tão curto, ou a minha organização tão precária. Mas agora mesmo, entrei aqui só para aprovar o comentário do Marcos no meu outro post  e aproveitei para ver a quantas andam as estatísticas do blog.

Uma das informações que sempre me interessam é aquela que indica como alguns leitores chegaram ao blog pesquisando termos na internet. O wordpress mostra as pesquisas mais frequentes e acho importante saber o que está dando ibope. Mas há resultados inusitados. Hoje, encontrei lá:

futebol integração e cultura, efeito do futebol sobre integração e cultura,  “agências de tradução”, futebol da integracao, traduçao beijar marido da amiga

Espera aí, marido de quem? E eu algum dia propaguei aqui que os maridos das amigas devem ser beijados, ou ensinei a beijar marido de amiga emvárias línguas? (Perigosa, essa história de línguas e beijos.)

Quer dizer, depois de tantos posts, o coquetel de palavras aqui está ficando bom. Tem lá um post esquecido sobre beijos e abraços — onde eu, aliás, deixo bem claro que não beijo qualquer um, nem por e-mail — algum outro falando de amigos e outros tantos voltados para a tradução. Deu nisso, uma mistura perigosa de palavras que estavam lá desavisadas no seu contexto, crentes que eram inofensivas.

Mas a lista da semana comprova a importância da estatísca: é evidente que o povo está interessado em saber o que o futebol tem a ver com integração e cultura. Então já vou ver se reservo uma horinha para terminar um post da Copa ainda inacabado.

E espero que a leitora tenha encontrado em algum lugar a maneira certa de dizer que beijou o marido da amiga. Ou terá sido a amiga que beijou o dela? Complicada, essa vida.

Deixe um comentário

Arquivado em Uncategorized

Aus aktuellem Anlass: a Europa está fervendo!

O post de ontem, sobre minha atual birra com algumas agências, merece uma continuação. Mas vou fazer um intervalo e contar para vocês um pouco de um tema gravíssimo que tem concentrado a atenção da população na Alemanha (e, provavelmente, no resto da Europa também): está fazendo um calor de matar nessa terra!

Não estou exagerando, é de matar mesmo! Quando o verão chega com força aqui, a taxa de mortalidade entre idosos realmente sobe com o termômetro. Mas as temperaturas das últimas semana têm estado sempre acima de 30, o que é um espanto, e já chegaram aos 40 mais de uma vez. Oficialmente, a temperatura mais alta medida até agora foi de 38 graus à sobra em Berlim. Nesse dia, os termômetros expostos ao sol na Potsdamer Platz chegaram a marcar 46 graus e um repórter da TV, otimista, demonstrou o lado prático da coisa fritando um ovo na placa de metal que revestia o teto de um prédio.

Os centros das cidades foram invadidos por legiões de pernas e braços ao léu. Quem não tem que manter a gravata e o paletó, por alguma obrigação cruel,  entrou para o time das bermudas e sandálias. Até nos bancos, esses redutos de sisudez, tenho visto mulheres trabalhando de bermudas. O que dá margem a combinações de vestiário das mais supreendentes nesse povo que está mais acostumado a botas e cachecóis. Sol e calor costumam ser sinônimo de férias, por aqui. Então, a ordem tem sido tirar o guarda-roupa de férias da mala e usá-lo para a próxima reunião do departamento. Um desfile que, às vezes,  me diverte, como ver alguém com uma pasta de couro na mão, camisa colorida, bermuda bege, sapato de couro marrom com meias combinando com a bermuda.

Se eu conseguisse arrumar um tempinho no fim de semana, certamente iria nadar. Mas as piscinas públicas andam abarrotadas de gente à procura de algum refresco e a água não deve andar lá muito convidativa. Pena, pois a visita a uma piscina pública, para brasileiros, é sempre um programa divertido. Assim como os cariocas seguem todo um ritual quando vão à praia — a escolha do figurino, o lugar onde sentar, quando e como “dar um mergulho” — os rituais germânicos também existem e alguns são de arrepiar, apesar do calor.

Meu exemplo preferido é o troca-troca de biquíni, calção e maiô. Lembrando que estamos num país onde o normal é fazer frio, aqui niguém sai da água e fica molhado na sombra para se refrescar. Não senhor, onde é que estamos? Isso é problema nos rins na certa, resfriado, dores de ouvido, a bexiga se vinga e lá vem a temida infecção — Blasenentzündung! Aqui você tem que ter dois biquínis na bolsa: uma para ficar sequinha no sol, outro para nadar. Então, antes de cair na água, todo mundo se enrola na toalha, primeiro a parte de cima, depois a de baixo, sai um biquíni vermelho, entra um azul, sai o calção de florzinhas, entra a sunga, e por aí vai. E não pensem que isso é feito nas cabines. Não, é ali mesmo, no gramado, com todo mundo em volta. Não sei como eles conseguem, pois é preciso habilidade, mas a toalha cobre o essencial, desde que o vizinho não esteja deitado diretamente ao lado e caia na besteira de abrir o olho na hora errada. Já levei sustos homéricos ao me virar na grama e dar de cara com um desses contorcionistas no momento errado.

Já começo também a notar que as pessoas têm adotado um hábito que conheço do Brasil: entrar nas lojas, bancos ou centros comerciais só para se refrescar no ar condicionado. Obviamente, essa grande invenção ainda não existe aqui em muitos prédios, já que era desnecessária até agora. Mas se as mudanças climáticas continuarem desse jeito, e tudo leva a crer que sim, alguma coisa terá que acontecer. Há alguns dias, o ar-condicionado de um trem ICE quebrou. O trem parou numa estação e todos os passageiros foram transferidos para outro ICE que, além de ficar superlotado, também estava sem ar-condicionado. Resultado: um monte de gente passou mal, tiveram que chamar ambulâncias, interromper a viagem e a Deutsche Bahn está em vias de ser levada à justiça.

Eu também não tenho ar-condicionado. Aliás, nem geladeira no meu escritório eu tenho. É um lindo prédio antigo, romântico e totalmente impróprio para trabalhar no verão. Por isso, eu adotei a moda e hoje vim trabalhar de bermuda e sandália. Mas o ventinho quente do meu ventilador não está dando conta e minha água mineral, apesar de ser sem gás, já ficou efervescente. Por isso, vou pegar minha pastinha de couro, com meu laptop e meus papeis, e vou para casa, desfilando nas ruas com a última moda alemã.

3 Comentários

Arquivado em Alemanha, Comportamento, Hábitos

Agências amigas

Falta de tempo para escrever no blog pode ser um bom sinal. No nosso caso, tem sido simplesmente excesso de trabalho, o que é muito melhor do que a falta dele. Eu preferiria retomar o blog com um dos muitos temas que tenho anotado, esperando o momento chegar. Mas algumas experiências vividas nas últimas semanas merecem furar a fila e entrar aqui primeiro.

Como a maioria dos tradutores, eu também já trabalhei, trabalho e provavelmente ainda vou trabalhar com algumas agências de tradução. Pessoalmente, acredito que as agências podem ser ótimos clientes, dependendo de qual é seu perfil profissional e do que você procura no mercado. Se você quer trabalhar com cliente final, muitas vezes vai ter que oferecer mais do que simplesmente “tradução”. DTP, gerenciamento de projetos, diferentes programas, bons revisores e até uma equipe de colegas que cubram outras áreas de especialização, outras línguas, são alguns exemplos. Sem falar nos investimentos maiores em equipamentos, talvez um servidor, enfim, mais um monte de coisas das quais eu não entendo muito, pois ainda não precisei. E vai ter que ser, acima de tudo, um bom administrador.

Não que essas coisas não existam na vida de qualquer tradutor profissional, mas não tenho dúvida que o grau de exigência numa boa agência é maior. Ou, pelo menos, deveria ser. Algumas das agências com as quais trabalho tentam seguir esses critérios e facilitam, com isso, meu trabalho. Essa é, para mim, a grande vantagem de trabalhar com elas. Quando recebo o projeto, alguém já analisou e preparou o texto, já selecionou uma memória atualizada e outras referências e já negociou com o cliente. Meu preço será mais baixo por isso: boa parte do trabalho é feita por eles e eu posso me concentrar em traduzir. Nada contra o preço ser mais baixo, se for justo. Afinal, eles também têm contas a pagar.

Mas o que vejo acontecer nos últimos tempos é que essa função facilitadora das agências está em vias de extinção. É comum receber projetos com memórias fragmentadas e totalmente desatualizadas. Projetos concluídos na semana anterior, nos quais você investiu umas horinhas “acertando” a memória, voltam com novos textos, acompanhados daquela velha memória que você esperava já estar enterrada e sendo comida pelas baratas. E junto com ela, vem uma legião de referências zumbis, aquelas que morreram e não sabem, e que só servem para ocupar espaço e fazer você perder tempo consultando fontes inúteis. E depois de quebrar o coquinho, tirar o suco e fazer uma tradução decente, ainda pedem para você consertar a formatação.

Tudo isso chateia, mas chatearia menos, se não viesse também acompanhado de uma choramingada com direito a beicinho quando você arrisca pedir  x% sobre o preço usual pelo trabalho adicional.

Preço, aliás, parece ter se tornado o único critério relevante para muitas agências. Há poucos dias, recebi uma proposta. Não me mandaram um teste, o que teria achado normal. Mas me pediam para preencher um extenso formulário on-line e, adicionalmente, mais uns dois ou três questionários, que deveria enviar depois assinados, com foto e os dados da minha conta bancária. E entre toda a papelada que eu deveria assinar, estava lá um detalhe em que eu me comprometia a não trabalhar diretamente com nenhum dos clientes atuais e antigos da agência por um período de até dois anos depois de ter saído do quadro de tradutores. Isso, vejam bem, sem que tivessem nenhuma prova da qualidade do meu trabalho, ou seja, correndo o risco de nunca receber qualquer serviço deles. No fim de tudo isso, depois de dar a eles um raio-x completo da minha vida, eu ainda tinha que concordar em receber meu dinheirinho até 60 dias depois de passar minha conta e aceitar que, caso o serviço chegasse com qualquer atraso ou razão de insatisfação, eles se reservam o direito de não pagar, ou pagar com desconto! Wie bitte?

O André também recebeu uma ótima: um servicinho pequeno, simples, na verdade. Só que ele tinha que verificar e acertar a formatação e o preço, em vez de aumentar, ficou ainda menor, porque descontaram um monte de repetições.

Talvez seja apenas a minha impressão pessoal, mas a tendência que tenho observado é redução de preços e aumento de exigências.  Estamos assumindo funções que, a meu ver, cabem aos gerentes de projeto. Nada contra, se é disso que precisam — e isso é algo que o Google Translator não vai tirar da gente, por enquanto.Mas então,  reconheçam o valor desse trabalho.

De todo modo, essa situação é também motivo para repensar as vantagens de trabalhar com agências. Eu vou começar esquecendo aquele monte de questionários que me enviaram.

4 Comentários

Arquivado em Agências, Clientes