Wir sind der Bahnhof!

Stuttgart não é nenhuma metrópole. Às vezes ela é chamada de Heizkessel, caldeira, mas isso é porque a cidade fica em um vale e o termômetro aqui está sempre alguns graus acima da temperatura medida nos arredores. Fervilhante não é um adjetivo que se use para descrever essa cidade.

Nos últimos tempos, porém, a cidade está realmente fervendo. A culpa não é do verão, mas de Stuttgart 21, um projeto urbanístico gigantesco que vai transformar a cidade em um canteiro de obras pelo menos nos próximos dez anos. Para modernizar as vias ferroviárias, alegando que isso permitirá encurtar as viagens, os governos municipal, estadual e federal, juntamente com a companhia ferroviária Deutsche-Bahn, decidiram reformar a estação central, que hoje é do tipo terminal, ou seja, de fim de linha, e transformá-la em uma estação subterrânea de passagem direta para os trens. Para isso, metade do prédio da antiga estação, tombado pelo patrimônio histórico, será demolido e um grande número de árvores do atual parque municipal será derrubado para as escavações. Não bastasse isso, os gastos astronômicos previstos para o projeto no início do planejamento, mais de dez anos atrás, já chegaram a mais de 4 bilhões de euros e continuam aumentando. E há também um grande risco de que o complexo sistema de fontes de águas minerais existente na região seja prejudicado seriamente.

Pouco a pouco, foi se formando uma resistência ao projeto na população. A reação inicial dos políticos locais foi aquela que todos conhecem: ignorar solemente. Só muito tarde começaram uma campanha em prol do projeto, informando sobre suas supostas vantagens. Não convenceram e o que antes era o movimento de um grupo tachado de „verdes alternativos“ virou uma ação popular em massa.

Há passeatas no mínimo duas vezes por semana. Na última falava-se de 30 mil participantes, amanhã espera-se ainda mais gente. Todos os dias, às 19 horas, centenas de pessoas pegam um apito, uma vuvuzela, um tambor, panelas ou simplesmente a própria garganta e fazem um barulho desgraçado em sinal de protesto. A cerca que protege a área onde começarão as obras lembra o muro de Berlim, coberta de cartazes, caricaturas de políticos, faixas e até cartas e desenhos de crianças. E ontem, quando a primeira ala lateral da estação começou a ser demolida, os manifestantes tomaram conta das ruas e o trânsito parou na cidade.

Começo da demoliçã6

A foto é péssima, mas quem pegar uma lupa talvez veja alguns manifestantes no telhado, em vias de pendurar uma faixa de protesto.

O que acho mais curioso nisso tudo é que as pessoas mobilizadas nesse protesto são os típicos pacatos moradores da cidade – gente de meia-idade,  famílias com crianças, aposentados, cujo sangue só entrou em ebulição porque se sentem ludibriados por políticos conservadores em quem eles mesmos votaram. O partido conservador CDU sempre foi o dono do pedaço nessa região. A oposição  no parlamento varia, os verdes têm uma boa fatia de eleitores, mas quando há eleições, ninguém duvida que a maioria será novamente do CDU, só o percentual varia. Mas parece que isso pode mudar com Stuttgart 21. Pela primeira vez em décadas, as pesquisas indicam que o partido perderia a maioria se as eleições fossem hoje. Não são, mas serão no ano que vem, quando o canteiro de obras estará a todo vapor.

Ontem, a televisão mostrou um senhor de cabeça branca treinando para se acorrentar a uma das árvores centenárias do parque municipal quando as primeiras escavadeiras chegarem. Taí uma cena que não quero perder.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Alemanha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s