Sobre traduções urgentíssimas e pedidos de “socorro”

A Bete já andou falando aqui sobre a questão das cobranças de taxas de urgência. Essa é uma discussão que dá muito pano para manga e tem vários artigos escritos sobre o assunto nos blogs dos colegas e no nosso também.  🙂

Eu quero colocar agora a questão que vem depois do tradutor ou da tradutora ter acertado (ou não) uma taxa com o cliente. Aquele mesmo cliente que ligou desesperado dizendo que o mundo irá acabar, que a empresa irá falir, que a terceira guerra mundial irá começar, enfim que qualquer catástrofe de proporções gigantescas irá acontecer se você não entregar a tradução naquele dia e naquela hora.

Vejam bem, não estou discutindo a questão da famosa “deadline”. Quem está na estrada faz um tempo, também sabe que os coordenadores de projeto trabalham sempre com prazos apertados e calculam sempre uma margem de tempo (os coordenadores que sabem trabalhar!) para o caso de REALMENTE acontecer algo.

Pois estou aqui para dar minha cara a tapa e dizer que caí no “conto do vigário“. Dia desses me liga uma infeliz dessas, fazendo o “discurso da catástrofe” (caí no tal conto porque trabalho faz tempo com a empresa e não acreditei que fossem fazer isso comigo. Fui muito ingênuo), e pedindo para entregar no tal dia porque senão blá, blá, blá…

No meu caso não tinha urgência, mas um pedido para “encaixar” a tradução entre os projetos. Já tinha muito trabalho, mas como é cliente antigo aceitei e entreguei a tradução na data combinada porque o documento tinha de ser entregue “vermeintlich” (supostamente) naquele mesmo dia. Como naquelas cenas de filmes (4 dias depois…), a danada me liga dizendo que estava revisando o texto e tinha uma pergunta a fazer sobre algo. Eu prontamente perguntei porque ela estava ligando agora se a tradução tinha de ser entregue 4 dias atrás e ela me respondeu que o cliente tinha estendido o prazo (só eu não fiquei sabendo dessa) e que não tinha tanta pressa mais.

O que quero dizer é que, como se diz em alemão “im Eifer des Gefechts”, na pressa, (porque está com algo para fazer ou qualquer outro fator), você acaba aceitando o trabalho, inclusive porque é cliente antigo, como no meu caso. Mas não se irrite ao cair nesse “conto do vigário”. Estamos todos sujeitos a isso.

PS da Bete: Essa beleza de tira que o André publicou aí no topo, para quem ainda não sabe, é trabalho do colega tradutor Alejandro Moreno-Ramos, que há anos nos brinda com seu genial Mox’s Blog. Tudo o que você sempre soube sobre a nossa vida de tradutor, mas não sabia como explicar, está lá. Não perca!

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Agências, Clientes

2 Respostas para “Sobre traduções urgentíssimas e pedidos de “socorro”

  1. Flávia

    André, e com editoras, então…

  2. André Henrique

    Flávia,
    nossa, nunca trabalhei com editoras, mas imagino que deve ser algo “fenomenal”… hehe!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s