Arquivo do mês: junho 2012

Freiras, reservas e nosso condicionamento cultural

Situação comum durante uma viagem de trem na Alemanha: alguns lugares reservados, outros livres, os passageiros vão entrando e procurando onde sentar. Atrás de mim, sentam-se uma jovem, com lugar reservado, e uma freira de cabelos brancos, sem reserva. O trem parte.

Na primeira parada, entra uma mulher alemã, bem vestida, entre 35 e 40 anos. Vem com a passagem na mão, para na fileira de trás e diz que tem uma reserva. A jovem diz que também tem e pergunta pelo número do vagão. A mulher confere, é o mesmo e o assento reservado é onde está a freira. A jovem ainda tenta sugerir que a mulher poderia sentar ao lado, há muitos lugares livres, mas a freira já levantou, cedeu o lugar e pegou outro assento.

Na estação seguinte, entra outra mulher, passagem na mão, procurando o lugar. Também bem vestida, com aparência de estrangeira, talvez indonésia. Ela para, olha para a passagem, encontra seu lugar e vê nele a freira. Hesita, olha em torno, vê um assento livre ao seu lado, pergunta à moça da janela se está livre e senta-se ali.

Quando vi os olhos da mulher com cara de estrangeira encontrarem a freira, tive quase certeza de que ela iria procurar outro lugar. Talvez eu esteja errada e a mulher nem fosse estrangeira. E não deixa de ser preconceito da minha parte, assumir que 1) ela era de origem estrangeira e 2) reagiria de forma diferente de uma alemã. Também não me interessa julgar aqui se suas reações foram certas ou erradas, até porque acho que quem fez sua reserva tem todo o direito de se sentar no lugar que lhe deram, não importa se foi o Papa quem chegou primeiro.

O que me chamou a atenção foi apenas o comportamento diferente das duas. Fiquei matutando, lembrando de situações parecidas que já vi por aí e de coisas que andei estudando. Se estou certa e as duas eram mesmo alemã e (digamos) indonésia, acredito que alguns aspectos culturais explicam as reações diferentes.

Primeiro: que efeito exercem uma roupa religiosa e cabelos brancos em cada um de nós? Tive a impressão de que, para a alemã, o fato de a pessoa sentada no seu lugar ser uma freira e ter cabelos brancos não fez diferença. Em nenhum momento ela titubeou, nem pediu desculpas, ou disse um “lamento o incômodo”. Estava meramente exercendo seu direito e por que haveria de se sentir constrangida por isso?

A outra, ao contrário, ficou um momento imobilizada, baixou o olhar e buscou uma alternativa sem nem chegar perto da freira. Não sei se teria feito o mesmo se a pessoa que encontrou no seu assento não simbolizasse religião e idade, com suas roupas e seus cabelos brancos — estou quase certa que não.

Esses dois comportamentos diferentes podem ser, é claro, resultado da personalidade de cada uma. Mas me pergunto se não há também uma carga cultural por trás disso. Na Alemanha, ninguém se sente constrangido em pedir algo que é seu de direito, mesmo que isso signifique incomodar alguém. Aliás, o fato de que a outra pessoa terá de procurar outro lugar não é visto como incômodo, é normal e a outra provavelmente também levantará sem reclamar, pois já contava com essa possibilidade. Alguns estudos que definem dimensões culturais, como os de Gerd Hofstede, colocam a Alemanha com um índice de 67 no grupo de culturas mais individualistas (núcleos familiares pequenos, dizer abertamente o que se pensa é certo, usa-se mais o “eu”, as regras e contratos prevalecem). Nesse países, se você tem uma reserva, não há motivo algum para se sentar em outro lugar e provavelmente, mesmo que o vagão esteja vazio e você não goste do assento que lhe deram, vai ficar ali quietinha, esperando a próxima estação chegar, pois pode entrar alguém para controlar e pega mal.

Se a outra passageira era mesmo da Indonésia, vale lembrar que esse país ficou no fim da lista de Hofstede, com um índice de individualismo de 14, o que o coloca entre as culturas do coletivismo – onde, aliás, se encontrava também o Brasil, com um índice de 38, quando os estudos foram realizados, nos anos 70/80. Nessas culturas, prevalecem as grandes famílias, usa-se mais o “nós”, busca-se a harmonia nos grupos e as regras e contratos são menos importantes do que as pessoas com estamos em contato. Vendo por esse prisma, é muito mais fácil procurar outro lugar, com tantos sobrando, do que tirar a pobrezinha da freira do seu conforto. E se vier algum funcionário controlar – esses chatos que não têm o que fazer – aí sim você pode mostrar sua reserva e seu lugar está garantido.

Eu acredito que esses índices mudem ao longo do tempo, nossa história e o contato entre diferentes culturas geram mudanças.

Pensei no que eu teria feito e descobri que já me tornei um híbrido dessas duas culturas com as quais convivo. Se entrasse no trem e visse a freira no meu lugar, teria procurado outro assento, já que havia tantos outros livres. Mas se fosse no avião, acho que pediria educadamente que a santa mulher fosse sentar noutro lugar. Tenho uma superstição irracional com assentos de avião e não troco de jeito nenhum com ninguém. No máximo, com o marido. Já me olharam feio, muito feio por causa disso. Mas nessas horas eu faço que nem a filha de uma amiga minha, que cresceu bilíngue e quando a vó brasileira ralhava com ela, respondia num francês chiquérrimo nos seus 4 aninhos: “Je ne comprends pas, vovó”. Pois é, eu também não.

P.S. Faltou falar do efeito das roupas religiosas, mas esse artigo já está tão longo, vai ficar para outra vez.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Comportamento, Cultura