Arquivo da categoria: Interpretação

Bons motivos para voltar

Fiquei longe do blog por mais tempo do que pretendia, mas a vontade de compartilhar duas coisas com vocês hoje me fez voltar.

Ontem fui a Frankfurt, assistir a mais uma palestra do meu amigo Felipe Tadeu, jornalista que vem realizando uma série maravilhosa de palestras sobre música brasileira no Consulado Geral do Brasil, interpretadas para o alemão sempre pelo ótimo Michael Kegler. Quem estiver na Alemanha lendo isso, fique de olho no site do consulado e do Centro Cultural Brasileiro em Frankfurt, que organizam o evento, para não perder a próxima. O trabalho que o Felipe vem fazendo, divulgando o que há de melhor na nossa música, é admirável.

Vejam só a foto linda que escolheram para o cartaz.

Vejam só a foto linda que escolheram para o cartaz.

Mas o que eu queria era ainda falar de como foi interessante assistir também à atuação do Michael como intérprete. Além de já terem trabalhado juntos em vários projetos, ele e o Felipe são amigos. Então havia ali uma perfeita sintonia entre os dois, o que gerava um clima de bate-papo entre amigos em toda a sala. O Felipe é um cara cheio de histórias para contar, o que é ótimo, mas também um desafio para o intérprete. Ele começa a falar de um assunto, entremeia a coisa com alguma anedota, lembra de mais outra história para contar e tece mais uns dois ou três comentários, antes de fechar a linha de pensamento com chave de ouro. Tudo isso vem recheado de datas, títulos de álbuns, nomes de bandas e de músicos. E, como vocês já devem estar imaginando, os períodos de fala são longos. O intérprete tem que estar muito concentrado, não se perder nas anotações, acompanhar o ritmo da dança e manter o bom humor característico de tudo o que o Felipe diz.

Eu curto muito acompanhar o trabalho de colegas nessas oportunidades, não para criticá-los, mas para aprender com eles. Para mim, o prazer ontem foi dobrado. Tive a palestra e uma aula.

Outro excelente motivo para voltar e escrever esse post é o novo bate-papo no site do Tradcast: o primeiro podcast brasileiro de tradução. Foi ao ar ontem uma entrevista com o tradutor Renato Motta, uma pessoa que eu admiro demais. O Renato é uma dessas pessoas que a gente gosta de cara, sempre sorrindo, fala baixinho e é capaz de te dar profundas lições de vida com apenas quatro ou cinco palavras, mas sem nenhum tom professoral. É um tradutor e tanto, sempre disposto a compartilhar suas experiências, e é justamente isso que ele faz no podcast. É também uma aula, mas você vai ouvir com a impressão de estar com ele e o resto do pessoal no bar da esquina. O resto do pessoal é a turma que vem fazendo esse projeto fantástico que é o Tradcast: a Érika Lessa, a Claudia Mello Belhassof, o Marcelo Neves e o Roney Belhassof. Agora, dêem uma olhada nos sorrisos aí embaixo, passem lá, clicando aqui, e vejam se eu exagerei na descrição do clima.

Claudia, Marcelo, Érika (virtual), Roney e seu convidado, Renato.

Claudia, Marcelo, Érika (virtual), Roney e seu convidado, Renato.

Anúncios

5 Comentários

Arquivado em Dicas, Interpretação, Vida profissional

Os riscos da vida de intérprete

Um colega me enviou uma notícia que gostaria de compartilhar com vocês, depois de um longo tempo afastada do blog.

Em Colônia, corre atualmente um processo que ficou conhecido como “Mord ohne Leiche”, ou “Homicídio sem corpo”. Três réus são acusados do assassinato de uma mulher filipina, cujo corpo ainda não foi encontrado. O processo estava em vias de ser concluído, com a condenação dos réus, quando o tribunal tomou conhecimento de que a intérprete havia participado de passeatas pedindo justiça para a desaparecida, distribuído panfletos na entrada do tribunal, é membro de uma associação em defesa das mulheres filipinas e tinha contato com algumas das testemunhas do processo. O advogado de defesa entrou com petição para que a intérprete seja dispensada por conflito de interesses, pedindo que todas as testemunhas sejam ouvidas novamente, já que há suspeita de que não tenha atuado com imparcialidade. A juíza aprovou a petição e determinou que as testemunhas sejam ouvidas novamente, o que exigirá cerca de nove dias adicionais para o processo. A intérprete corre o risco de ter que arcar com parte das custas processuais, que podem chegar a 50 mil euros.

O caso ilustra bem a responsabilidade do trabalho do intérprete em tribunais, que vai muito além do mero comportamento profissional na sala de audiências.

No caso em questão, há alguns detalhes que chamam a atenção. O tribunal e a promotoria não se informaram antecipadamente sobre um possível envolvimento emocional da intérprete com o caso. A intérprete deveria ter chamado a atenção do tribunal para o fato de ser ativa na defesa dos direitos de mulheres filipinas. Em vez disso, ela se mostrou surpresa com a reação do tribunal e afirma que vive numa “sociedade livre” e tem o direito de expressar sua opinião, argumentando que agiu corretamente durante os depoimentos, interpretando fielmente todos os testemunhos prestados.

Não sei o que vocês acham, mas a história me fez lembrar de uma decisão que tomei há vários anos, quando servia de intérprete para hospitais em Stuttgart. Era um trabalho que me dava pouco retorno financeiro, mas que fazia por achar que estava prestando uma ajuda às muitas famílias que não conseguiam se comunicar, talvez justamente nos momentos mais difíceis de suas vidas, com um ente querido doente. Era um trabalho honroso, mas difícil e que me deixava sempre um pouco abalada, pelos dramas presenciados. Um dia, depois de interpretar em um caso particularmente triste, do qual saí aos prantos (eram eu, os médicos, a família, todos chorando), resolvi não continuar e passei a recusar esses serviços. Cheguei à conclusão de que não estaria em condições de ajudar ninguém, pois não conseguia manter a distância necessária para isso. Acredito que se um dia tivesse que ser intérprete no caso de alguma brasileira assassinada, envolvendo pessoas que eu talvez conheça, estaria numa situação semelhante e preferiria recusar e me envolver de outra forma.

E vocês, o que acham?

Se quiserem ler as notícias sobre o caso (em alemão), cliquem aqui ou aqui.

 

4 Comentários

Arquivado em Interpretação, Profissionalismo

Ajudando a descascar o abacaxi

Para deixar bem claro desde o início: esse artigo não é um incentivo ao amadorismo, nem pretende motivar ninguém a se aventurar pelo mundo da interpretação sem preparo. Quem ler isso aqui deveria, ao contrário, entender o valor do trabalho de um profissional e do preparo que ele exige.

Na vida real, infelizmente, o que acontece é que a maioria das pessoas continua acreditando que basta falar bem uma língua, além da própria, para poder servir de intérprete. E foi por isso que minha irmã me ligou ontem com o coração apertadinho, pedindo ajuda para descascar o seguinte abacaxi. 

Minha irmã é professora universitária, ensina francês em um curso de línguas estrangeiras aplicadas. Amanhã, o departamento da sua faculdade vai receber a visita de um pesquisador francês, que vai apresentar seu trabalho para os alunos e alguns professores. Vocês já devem estar imaginando o que vem por aí. Pois é, o homem não fala português e alguém vai ter que interpretar. E como a minha irmã fala excepcionalmente bem a língua (eu não entendo nada de francês, mas juro que não é orgulho de família, é o que sempre ouvi de gente que sabe o que diz), sobrou para ela. A ideia de contratar um intérprete profissional nem foi cogitada justamente no lugar onde deveriam saber disso melhor que ninguém, já que é dali que saem os futuros profissionais. Mas isso é assim no mundo inteiro, não vou discutir aqui. O fato é que minha irmãzinha querida vai ter que se virar e me pediu umas dicas. E o que você diz para alguém nessa situação?

Não dá para fazer um treinamento relâmpago nessas horas, ainda mais por telefone. Então eu tentei simplificar e pensei nas coisas que gostaria que tivessem me dito quando fiz minhas primeiras interpretações. Depois pensei que poderia publicar isso aqui e trocar ideias com vocês, pois acho que o que é essencial numa hora dessas continua sendo essencial para o resto da nossa vida profissional. Então lá vai.

Primeiro de tudo: respire fundo,  mantenha a calma e acredite que você vai dar conta do recado. Se procuraram você, é porque algum talento você deve ter. E se você se encontra nessa situação “quebrando um galho”, ninguém pode esperar que seu desempenho seja o de um profissional. Portanto, faça o melhor possível. Na pior das hipóteses, todos serão gratos pelo seu esforço. Na melhor, você pode se surpreender com o resultado e sair dali satisfeita. E não se culpe pelos erros que cometer. Mesmo os melhores profissionais erram. Para mim, essa é a dica mais importante, sempre.

Segunda dica: um bloco de notas e uma caneta que escreva bem (e esteja com a carga cheia). Sem bloco de notas, não saio de casa. De preferência um daqueles que cabe na mão e é fácil de virar as páginas. Não gosto de cadernos, acho mais complicado. O bloco, além de ser imprescindível para anotar nomes, números, ou aquelas palavras que a gente provavelmente vai esquecer depois, dá uma segurança tremenda. Às vezes, acabo nem anotando nada, se estiver bem concentrada e o palestrante for daqueles que não complica e faz pausas frequentes e lógicas. Mas saber que o meu bloquinho está ali, pronto para refrescar minha memória, é primordial. Eu também aprendi a não economizar papel e gasto mesmo, só escrevo a parte da frente das folhas, para não me perder depois virando páginas e procurando onde foi que anotei aquela palavra-chave.

O que já é outra dica: não tente anotar tudo, tim-tim por tim-tim, a não ser que você tenha um passado de megasecretária e domine estenografia como ninguém. Melhor anotar ideias centrais, que alinhavem o discurso. Há livros grossíssimos sobre técnicas de anotação para intérpretes, mas quem está tentando descascar o abacaxi não tem tempo para isso e, no fim das contas, cada intérprete desenvolve sua própria técnica. Eu comecei lembrando do que fazia na época da universidade, anotando o que achava mais importante e fazendo verdadeiros mind-mapings nos cadernos. Faço isso até hoje, uso setas para ligar ideias, sublinho palavras que devem ser acentuadas e circulo aquelas que são essenciais.

Outro detalhe importante é conversar antes com o palestrante e combinar com ele o ritmo da interpretação, ou seja, pedir que faça períodos curtos e pausas frequentes, para que você possa acompanhar o discurso. No caso do nosso abacaxi, isso é ainda mais importante. Você não é profissional, portanto ninguém pode esperar que você se lembre de cinco minutos corridos de falatório. Acham que cinco minutos é pouco? Pois então experimentem ouvir cinco minutos de Jornal Nacional e depois repetir o que foi dito. Portanto, peça ao palestrante para ser curto e combine com ele também um sinal que você possa dar quando perceber que chegou a hora  de fazer uma pausa.

Isso leva a mais um aspecto que pode ser importante: onde você vai ficar durante a palestra? A estrela do evento é o palestrante, mas você precisa estar perto dele, para manter contato visual e poder ouvi-lo bem. Pense nisso e escolha um lugar apropriado.

Por último, uma grande vantagem da interpretação consecutiva é que você pode fazer perguntas ao palestrante. Ele disse alguma coisa que você não ouviu? Alguma ideia não ficou clara? Pergunte. Ele vai entender e talvez até apreciar, pois é um sinal de que você está acompanhando o que ele diz e preocupada em transmitir o conteúdo corretamente. Saber que você pode perguntar também tem um efeito tranquilizador incrível, ajuda a organizar as ideias  e aumenta aquela autoconfiança que mencionei lá na primeira de todas as dicas.

Depois de fazer essa relação, vou ficar torcendo pela minha irmã, que certamente vai se sair muito bem, e abro o espaço para quem tiver mais sugestões. Se você tivesse que resumir em poucas palavras, quais seriam as suas dicas essenciais para um intérprete inexperiente, pego de surpresa?

 

 

 

4 Comentários

Arquivado em Interpretação

Chutando bem

A época das tardes na biblioteca, consultando dicionários, livros e enciclopédias, com uma lista de termos e dúvidas anotados durante a tradução de um texto pela manhã, ficou para trás, ainda bem. Não que eu não goste de bibliotecas, pelo contrário. Mas convenhamos que nenhum de nós sonha em abrir mão do conforto e da rapidez que a internet nos proporciona.

O que não mudou é que, ontem como hoje, tradutor que se preza, quando em dúvida, sempre consulta. Faz uma busca no google, confere a palavra no dicionário ou pergunta a alguém que entenda mais do assunto do que ele. E ficou tão mais fácil encontrar respostas para as nossas perguntas que ficamos mal acostumados. Queremos resposta para tudo e de preferência para ontem.

Acontece que ainda há situações que não permitem isso. Quem é intérprete, já deve ter passado por momentos em que apareceu aquela expressão que não estava na terminologia estudada, ou em que o cérebro resolveu provar que você pode até mandar muito, menos nele. Nessas horas, nem tudo está perdido.

Eu sou mergulhadora e aprendi debaixo d’água talvez a mais importante regra de sobrevivência em qualquer situação: continue respirando! Seu cérebro precisa de oxigênio para continuar funcionando e você vai precisar dele para fazer o que é necessário nessas horas: chutar. Mas chutar bem! 

Chutar bem é uma arte. Você precisa saber para onde e como está chutando, para ter uma chance de acertar, pelo menos, na trave. Traduzindo, ou interpretando, isso significa que você precisa entender muito bem o contexto e a língua de partida para ter uma noção do que está sendo dito e do que aquela palavra pode significar.

Quando estou fazendo uma interpretação consecutiva e perco alguma coisa, ou sai um daqueles termos de novíssima tecnologia, vestido de branco para me assombrar, eu respiro e me concentro no resto. O que ainda vão falar pela frente pode servir de ajuda. E, afinal, na consecutiva você tem a vantagem de poder até pedir que a pessoa explique melhor o que disse, antes de fazer a sua parte. Se você não conhece o termo, poderá ao menos explicar o que é.

A simultânea, que estou tentando aprender no momento e por cujos colegas tenho um enorme respeito, é um mergulho ainda mais profundo, pois tudo é muito rápido. Talvez seu parceiro de cabine possa ajudar (no curso, ainda somos lutadores solitários, ninguém por perto). Talvez você seja tão “multitasking” que até consiga procurar a palavra no laptop paralelamente e encaixá-la lá na frente (eu ainda estou ocupada demais ouvindo e formulando frases para conseguir usar o teclado). Mas se você estiver bem concentrado, acompanhando bem a matéria, é bem capaz que o chute saia sem você nem perceber. Isso me aconteceu outro dia durante a aula e, sinceramente, nem me lembro mais da palavra. Só me lembro da sensação de ter falado uma grande besteira e do alívio quando a continuação da palestra confirmou o que o instinto no pé já tinha mandado para a frente – logo eu, que sou péssima com qualquer tipo de jogo de bola.

Um bom exercício para treinar chute ao gol é ler sem o auxílio de dicionários, seja na língua estrangeira ou na própria língua. Adquiri essa mania na infância. Por pura preguiça de procurar as palavras, preferia ler sem parar, sublinhando o que não entendia bem, mesmo sob o risco de não entender todo o texto. Depois ia procurar as palavras e era uma alegria ver que estava certa em algumas suposições. Mas melhor ainda era descobrir onde tinha me enganado, o que abria meus olhos para novas leituras.

Não quero, de forma alguma, fazer aqui a apologia da imprecisão. Pelo contrário, nosso compromisso como tradutores e intérpretes é com a máxima precisão possível, a língua é nosso instrumento de trabalho e com isso não se brinca. Mas acho que não devemos esquecer do que nos fez chegar aqui – aquele prazer que nos fazia inventar palavras na outra língua, só porque o som parecia estar certo, lembram?  Tão importante quanto querer acertar é também não ter medo de errar e aprender como correr riscos, para que a queda não seja muito dolorida. O medo da imperfeição é paralisante. Já acertar na trave, às vezes, é quase como um golaço.

12 Comentários

Arquivado em Interpretação, Uncategorized

Ele disse que você disse que…

O cenário é um saguão de hotel em São Paulo. Na área reservada para computadores e mesas de trabalho, estão sentados dois árabes, um brasileiro e uma intérprete, também brasileira, a julgar pelo sotaque. Um dos árabes fala inglês com a intérprete, que traduz para e do português. O outro árabe só fala diretamente com o parceiro.

A cena é corriqueira, aparentemente uma negociação entre parceiros de negócios. Mas da forma que a presenciei seria um bom exemplo do como um intérprete NÃO deve atuar. O inglês da moça parecia bom, pelo menos a pronúncia era excelente. Só que corriam diálogos mais ou menos assim:

Brasileiro: Eu tenho certeza absoluta que discuti essa cláusula do contrato durante a nossa primeira conversa.

Intérprete: He said he mentioned this during your first conversation.

Árabe (depois de uma discussão em árabe com seu parceiro e com semblante irritadíssimo): We had agreed on 10%! It was never said there would be any other taxes!

Brasileiro: O que foi que ele disse?

Intérprete: Que vocês estão cobrando mais do que combinaram.

E por aí vai. Dava para fazer aqui um exercício aberto, do tipo “descubra os sete erros nessa cena”. Eu estava tentando ler meus e-mails em um computador ao lado, mas cada vez que ouvia mais um “ele disse que você disse”, tinha vontade de levantar e ir lá perguntar se podia ajudar.

Não é que eu me ache uma ótima intérprete. Pelo contrário, sofro de uma insegurança crônica que só consigo controlar enquanto estou trabalhando. Antes e depois, eu sou uma caixinha de perguntas, dúvidas eternas e autocrítica. Por isso mesmo, essa cena, que vi há meses, não me sai da cabeça e ilustra muito bem tudo o que pode dar errado se você não fizer o serviço direitinho durante uma negociação.

Talvez aquele árabe não ficasse tão irritado se as respostas às suas perguntas tivessem o mesmo tom e, acima de tudo, exatamente o mesmo conteúdo das respostas dadas pelo brasileiro. Vai ver as tais taxas extras sumiram já durante a interpretação das negociações anteriores.

Outra coisa que me chamou a atenção foi o evidente desinteresse da moça pelo que estava se passando ali. Enquanto os três homens tinham o olhar desperto e estavam sentados bem próximos da mesa, sinalizando contato com os gestos, ela estava recostada na poltrona e mal movia a cabeça quando falava com um ou outro. Talvez eu esteja errada, mas acredito que a postura do intérprete também influencia o resultado e linguagem não-verbal faz parte da mensagem. Não basta o cabelo arrumadinho e a roupa certa, se o corpo e os olhos estão dizendo “acabem logo com isso que eu quero ir para casa”.

Mas é possível também uma outra versão da história. E se a moça nem for intérprete profissional? E se aquilo era um trabalho voluntário? Ou, pior, se tiverem dito a ela que seria coisinha pouca e passado a conversa para ela fazer um precinho camarada? E se ela estivesse ali se sentindo enganada, presa numa armadilha da qual não podia mais sair? Acontece também, não é? Já estive em situações assim, mas tenho o mau costume de querer fazer as coisas direito, mesmo sendo mal paga. Mas cliente que não vê a importância do intérprete para o sucesso da negociação, talvez mereça mesmo levar para casa umas pragas rogadas em bom árabe!

5 Comentários

Arquivado em Interpretação