Arquivo da tag: Alemanha

Inteligência seletiva, ou complicando o que já não era fácil

A língua alemã tem fama de ser exata. O mito de que “só é possível filosofar em alemão” continua assombrando muita gente por aí, não só na canção do Caetano. De minha parte, estou convencida de que nem mesmo a matemática é tão exata quanto parece, 2 + 2 nem sempre será 4, que dirá o alemão expressar tudo sem deixar sombra de dúvida. Querem um exemplo?

No lugar onde eu trabalho, há uma pequena cozinha no andar, com geladeira, pia, máquina de café e a infalível lata de lixo com coleta seletiva. Nela , há três compartimentos: um para embalagens (Verpackungen), outro para lixo orgânico (Biomüll) e um que leva o nome aparentemente bem prático de Restmüll, o que seria o “lixo restante”, traduzindo literalmente. Parece lógico, não é? Mas vejam só: todos os dias, para colocar o meu motor em funcionamento, minha primeira providência é tomar um café, um expresso duplo, para ser mais exata. Quando a máquina termina de encher a xícara com o meu combustível, eu abro um saquinho de açúcar e jogo metade do conteúdo na xícara. Na hora de abrir a lata de lixo e jogar fora o resto, vem a dúvida: para qual compartimento vai o saquinho? Jogo o resto do açúcar no lixo orgânico e o saquinho nas embalagens? Ou jogo tudo no “resto de lixo”?

Coleta seletiva: pense bem antes de abrir!

Pode parecer banal, mas é um desafio começar o dia com uma pergunta dessas, antes mesmo do primeiro gole de café! E acho que não sou a única, pois ao abrir a lata, sempre encontro os saquinhos azuis espalhados por todos os compartimentos. Afinal, o saquinho é embalagem, portanto, não deveria estar no “resto”. Mas se eu jogo apenas o açúcar no Biomüll, a menina que faz a limpeza (a propósito, uma brasileira) certamente vai xingar a pobre da minha mãe, que não tem nada a ver com isso, por causa do fundo caramelizado que se cria na lata de lixo. Pois, como todo mundo sabe, os alemães são muito consequentes (outro mito, mas ainda não virou música), por isso nossa lata de lixo seletiva não é forrada com sacos plásticos, senão não seria assim tão seletiva.

Os saquinhos na lata da discórdia.

O que nos leva de volta a essa língua tão exata: o que vem a ser exatamente “Restmüll”? Existem verdadeiras enciclopédias sobre a coleta de lixo na Alemanha e há nomes para tudo. Oficialmente, “Restmüll” é tudo o que não pode ser reciclado. Mas as listas de exemplos citados em vários sites de prefeituras e órgãos público, em vez de esclarecer, confundem ainda mais. Uma delas cita, por exemplo, produtos têxteis sujos. Ora, a máquina de lavar não recicla isso?

Eu resolvi simplificar minha vida, pelo menos nesse aspecto, e interpreto Restmüll simplesmente como “resto”, tudo o que sobra vai para ali. Não é embalagem? Não é orgânico? Restmüll! É um pouquinho de cada um? Restmüll! É uma coisa na qual ninguém pensou quando inventaram a lata de lixo maquiavélica? Restmüll! Confesso que às vezes tenho um receio paranóico de ser pega jogando o saquinho no lugar errado. Mas, querem saber de uma coisa? Se um dia reclamarem, vou começar uma discussão sobre o verdadeiro significado da palavra “resto” e sou capaz de apostar que ficaremos ali olhando pensativos para aquela lata de lixo, sem resposta definitiva para as grandes questões do universo. E se os alemães querem mesmo tudo nos lugares certos, eles que inventem uma palavra melhor. Afinal, essa língua é ou não é tão exata?

PS: Falando em maneiras complicadas de começar o dia na Alemanha, a Ligia Fascioni escreveu há tempos um artigo no seu blog que vale a pena ler. Passe lá, clicando aqui.

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Alemanha, Alemão

Safari na selva da integração

O canal alemão ARD começou a transmitir um programa com o título Entweder Broder – Die Deutschland Safari que, na minha opinião, é a melhor resposta à atual discussão sobre a integração de emigrantes na Alemanha. A ideia é tão simples quanto genial: um judeu e um muçulmano, ambos naturalizados alemães, viajam pelo país em um carro  colorido, visitando lugares históricos, entrevistando gente de todos os tipos e discutindo, com muito humor, o que afinal de contas vem a ser essa tal de integração.

Para quem não sabe, nos últimos meses a questão da integração dos estrangeiros na sociedade alemã, principalmente dos muçulmanos, tornou-se centro de uma discussão um tanto absurda, impulsionada pelo lançamento do livro Deutschland schafft sich ab (A Alemanha está acabando consigo mesma), de Thilo Sarrazin. O economista acabou abandonando seu posto na diretoria do Bundesbank, por conta da polêmica surgida após suas declarações, consideradas racistas. O livro, porém, continua na lista dos mais vendidos e o tema não sai da pauta em todas as mídias.

O jornalista judeu Henrik M. Broder e o cientista político egípcio Hamed Abdel-Samad são o outro lado da moeda. No seu safári pela Alemanha, acompanhados da cachorrinha Wilma de Broder, eles conseguem tratar com um humor inteligente essa questão tão complexa e delicada. Há cenas imperdíveis, como a visita a uma palestra do partido de extrema direita NPD, quando os dois protagonistas se dirigem ao prédio do partido sob os gritos de “Fora nazistas!” dos manifestantes que protestam na rua. Ou quando Broder, depois de uma ação provocante no monumento ao Holocausto, em Berlim, pergunta a Hamed se existem também monumentos aos muçulmanos e este responde: “Não, nós não construímos monumentos, nós construímos palácios!”. E leva o amigo para visitar uma mesquita cuja construção custou mais de três milhões de euros.

O programa vem sendo transmitido desde 4 de novembro, serão ao todo cinco domingos, e eu estou colecionando algumas frases, como essas:

“Integração é quando você age como um cafajeste, mas ninguém te leva a mal.”

“A grande vantagem da modernidade é você poder se afastar das suas origens.”

“A chave para a integração é  o humor.”

Se alguém quiser assistir, já há trechos no youtube. Os primeiros 15 minutos estão aqui:

O programa de hoje terminou com os dois participando de uma festa de rua numa cidadezinha da Baviera, onde a mesquita e a igreja vivem abertas para quem quiser entrar e todo mundo se entende numa boa. Depois de muita comida, alguma cerveja, muita conversa com bávaros de bermuda de couro e até Hamed regendo a orquestra local, que tocava música folclórica, os dois saíram da barraca convencidos: “Isso foi melhor que Yom Kippur e Ramadan juntos!” Concordo.

3 Comentários

Arquivado em Alemanha, Integração

HB-Frauchen

A vantagem de ter dois autores no blog é essa: nem sempre somos da mesma opinião. E como a nossa proposta é mesmo trazer para cá as nossas conversas e partilhá-las com vocês, é isso que eu, Bete, vou fazer agora.

Concordo com o André quando diz que mulheres, infelizmente, nem sempre são levadas a sério quando reclamam ou exigem seus direitos. Mas questiono se isso é uma característica particularmente brasileira e, principalmente, se as coisas na Alemanha são assim tão diferentes. E mais: mesmo correndo o risco de levar paulada, pergunto se essa “falta de respeito” não é resultado também da postura que muitas de nós, mulheres, assumimos voluntariamente, tentando ser boazinhas e educadas (e não me excluo desse grupo). Mas vamos por partes.

Quando saí do Brasil, com 23 anos, eu não era exatamente um exemplo de mulher emancipada. Para falar a verdade, essa questão nunca me interessou muito e continua me interessando pouco. Afinal, o que é “emancipada”? Ganhar seu próprio dinheiro, morar sozinha, viver com o namorado mesmo sem casar, fazer topless na praia, comprar briga sem medo? Só isso? Eu morava com meus pais, exercia uma profissão que me dava satisfação e pouco dinheiro, tinha os amigos que queria, estudava o que queria, estava razoavelmente satisfeita com a vida que levava. Isso devia ser emancipação suficiente.

Nos primeiros anos de Alemanha, como meu marido ainda estudava e naquela época os cursos à noite ainda não haviam chegado nesse país tremendamente desenvolvido, quem ganhou dinheiro para pagar aluguel e despesas da casa fui eu. Minhas amigas brasileiras achavam isso muito natural. As alemãs perguntavam por quanto tempo eu ainda planejava fazer isso e o que faria quando engravidasse. Foi a primeira vez que ouvi essa pergunta — filhos ou trabalho? Na minha terra e no círculo de pessoas com quem eu convivia, não era preciso escolher,  era normal seguir a vida com as duas coisas, dá-se um jeito. Para minha surpresa, muitas alemãs emancipadas, que levavam o namoradinho para dormir com elas em casa já aos 17 anos, desistiam de suas profissões assim que um marido aparecia acenando com um bom salário. Já meu pai, um cara extremamente conservador, que se contorcia ao ver as filhas de saia curta e reclamava quando elas chegavam em casa depois da meia-noite, mesmo depois dos 18 anos, queria que as filhas tivessem uma profissão para “não depender de marido se um dia ele tratar ela mal”. Onde está aqui a emancipação?

Conheci muitas brasileiras que sofreram no mercado de trabalho alemão por não serem tratadas da mesma forma que os homens. Principalmente nas profissões técnicas e nas grandes empresas alemãs, as mulheres ainda são vistas frequentemente em cargos com menos responsabilidade e quase sempre ganhando menos que os colegas que exercem exatamente a mesma função. De fato, a diferença entre os salários de homens e mulheres vem aumentando nos últimos anos e hoje gira em torno de 23%, como mostra um artigo na revista Der Spiegel. Embora esse fenômeno não seja exclusivamente alemão, já que ele existe também em muitos outros países, isso talvez corrija um pouco a imagem da alemã emancipada. O mesmo artigo indica, por exemplo, que essa diferença é menor em países europeus tidos como mais “machistas”, como Portugal e Itália (que tem o menor índice, com apenas 4,9%).

Mais que isso, o que me chama a atenção na sociedade alemã é a associação feita entre mulher bem-sucedida e comportamento masculinizado (uso a palavra na falta de coisa melhor no momento). Explico com uma historinha vivida há muitos anos e que me ensinou como as coisas funcionam por aqui. Eu estava na fila da sorveteria, esperando ser atendida. Quando chegou a minha vez, um grandalhão atrás de mim soltou a voz de tenor pedindo o sorvete dele. Eu olhei para trás e disse que eu estava na frente. Ele respondeu que eu não tinha dito nada, então eu perguntei: “O senhor quer que eu faça o quê, que eu grite?”. E a resposta foi “Na klar!”  (claro!).  Ali eu aprendi que os alemães levam você  mais a sério se você falar alto. Entendi por que meu marido tinha brigas homéricas com a mãe por causa de merrecas e por que minha sogra era uma pessoa que se exaltava ao telefone para pedir uma simples informação. As pessoas na Alemanha falam alto para serem realmente ouvidas. E isso é uma característica que se encontra também no mundo profissional. Muitas das mulheres em cargos de chefia nas empresas alemãs têm um perfil dominante e são às vezes mais temidas que seus colegas homens. Para serem vistas, ouvidas, “respeitadas”, elas tendem a exagerar.

Pessoalmente, tenho dúvidas se essa é uma estratégia que funciona bem no Brasil. A começar pelo fato de que falar alto nem sempre dá bons resultados entre brasileiros, seja o grito dado por um homem ou uma mulher. Muitas vezes o que pode acontecer é o tiro sair pela culatra e você não receber o que é seu direito, justamente porque gritou.

Minha mãe, por exemplo, adora gritar, pelo menos dentro de casa e principalmente com a empregada. E vive reclamando que tudo ficou difícil depois que meu pai morreu, que uma mulher não é levada a sério pelos homens, que se fosse meu pai resolvendo as coisas, os problemas não existiriam. Mas, outro dia, ela precisou ir à Cedae resolver um problema de abastecimento de água no apartamento de um inquilino. Primeiro, foi sozinha, conversou com um rapaz “muito educadinho”, jogou aquela conversa dos cabelos brancos, a dor na coluna, o dinheiro pouco da aposentadoria. O rapaz explicou lá para ela um jeito de resolver a coisa e pediu que voltasse outro dia com mais um documento qualquer. Ela voltou, dessa vez levando o inquilino, pois achava que ele, como homem, saberia explicar e entender melhor a coisa. Deu uma confusão danada, o inquilino é um tipo esquentado, o rapaz “educadinho” esqueceu dos bons modos e mandou o inquilino ver se ele estava na esquina. Ontem minha mãe me disse que vai voltar à Cedae. Quando eu perguntei se vai levar o inquilino, a resposta veio rápida: “Deus que me livre! Ele só ia complicar ainda mais, eu vou sozinha!”.

Ou seja, a HB-Frauchen pode funcionar bem na Alemanha. Mas no Brasil, tenho minhas dúvidas.

O que precisamos, sejamos nós mulheres ou homens, é simplesmente ter mais consciência de nossos direitos e não ter medo de exigi-los quando chegar a hora. Se isso vai ser feito no grito ou não, é uma escolha pessoal. Eu não gosto de gritar, faz mal à garganta. Mas dizem que minha veia na testa cresce quando a coisa começa a ficar séria.

Haveria outras coisas para discutir, como a imagem dos homens alemães que colaboram nos afazeres domésticos e os brasileiros boas-vidas que mal sabem fritar um ovo. Há muito folclore nisso, mas é conversa demais para um post só. Por isso, passo a palavra para quem quiser comentar.

2 Comentários

Arquivado em Alemanha, Brasil, Comportamento, Uncategorized

Stress ou estresse?

É a Bete falando.

Estava eu outro dia no skype, contando ao meu marido as peripécias dos meus últimos confrontos com a baderna e a burocracia brasileiras, quando ele de repente me diz:  “Mas o que há com você? Nunca te vi tão estressada!” Eu olhei para a minha imagem no cantinho do monitor e vi que ele tinha razão. Aquela mulher meio descabelada e tensa ali não era eu.  Ou será que era?

Sempre pensei que estresse era uma coisa que só aparecia na minha vida quando estava na Alemanha. Explico: lá eu tenho uma sensação constante de premência, de correr atrás do tempo, de estar resolvendo uma coisa já pensando nas que vêm pela frente. Há teorias que explicam isso. O antropólogo Edward T. Hall, por exemplo, afirma que um dos aspectos importantes para entender uma cultura é a sua percepção de tempo. Ele divide culturas em policrônicas e monocrônicas. Os alemães pertenceriam ao último grupo. Para eles, o tempo é uma coisa linear, com começo, meio e fim definidos. Por isso,  a agenda, o planejamento e a execução de tarefas uma após a outra, dentro do tempo previsto,  são tão importantes. Se você vive nesse sistema e quer ver as coisas funcionando para o seu lado, é melhor adaptar seu reloginho interno a essa realidade.

O mesmo autor situa culturas “latinas” — e lá estamos nós, brasileiros — no lado dos policrônicos. Para esses, o tempo é como borracha, uma coisa mais ou menos amorfa que você pode esticar ou espremer, conforme a necessidade do momento. Para essas pessoas, o que acontece agora geralmente tem prioridade e elas são capazes de realizar várias tarefas ao mesmo tempo sem sofrer muito com isso. Aquelas expressões  “o que passou, passou” ou “o que será, será” não são apenas clichê, elas exprimem verdadeiramente um jeito de estar no mundo.

Para mim, que cresci em meio a um bando de policrônicos, é natural que a convivência com monocrônicos produza estresse. Eu não sabia a diferença que um mísero minuto pode fazer, até chegar no ponto de ônibus às 14.43 e descobrir que tinha perdido o das 14.42 e teria que ficar esperando 20 minutos na neve e a uma temperatura abaixo de zero. Isso é stress, à moda alemã. Porque estresse é outra coisa.

Estresse é o que eu estava sentindo enquanto relatava meu desespero no skype. O que tinha acontecido para eu ficar naquele estado foi mais ou menos isso:

Há semanas eu vinha tentando solucionar um problema simples com minha operadora de celular. Depois de ter tentado várias vezes pela internet, de ter mandado e-mails e telefonado, haviam me dito que eu poderia resolver tudo facilmente numa loja da operadora. Beleza, pensei! Eu tinha um compromisso no centro da cidade. Dali, pegaria o ônibus até um shopping onde, segundo a atendente havia me garantido,  havia uma loja para resolver meu problema. Lá chegando, porém, nada feito. Embora a loja fosse aquela mesmo, a questão tinha que ser resolvida pela central de atendimento telefônico. Ou seja, eu teria que ligar pela centésima vez, repetir toda a ladainha, começar tudo de novo. Aquilo já durava mais de um mês! Em vez de pular no pescoço do funcionário, eu disse que então preferia cancelar meu plano. E a resposta foi que isso também era coisa que só a famigerada central de atendimento poderia resolver. Saí dali fumegando, atravessei a cidade, peguei uma barca lotada, cheguei em casa encharcada pela chuva e resolvi esquecer a coisa por uns dias, pois ia passar o fim de semana na casa da minha irmã, pertinho da praia. Tinha um serviço pequeno para entregar na segunda-feira, que levei comigo e terminei sem problemas. No domingo, voltei de ônibus para a Ilha com minha mãe e escapamos de um toró que fechou o aeroporto. Só que, chegando em casa, não havia luz. Sem luz, necas de internet. Tudo bem, pensei, amanhã cedo a luz já voltou e eu mando o serviço. Mas, como vocês já devem estar adivinhando, a luz não voltou. Depois de uma noite passada com um calor infernal, com portas e janelas da varanda fechadas, pelo risco de assalto na escuridão, saí cedo para o próximo shopping, na esperança de encontrar uma praça da alimentação com tomadas para recarregar o notebook e acesso à internet. As tomadas estavam lá, mas a internet resolveu tirar férias naquele dia. Tomei um guaraná, para não sair dali de mãos abanando, e voltei frustrada, angustiada com a entrega do serviço e totalmente estressada. Horas depois, a luz chegou e foi então que liguei para o meu marido.

Estresse no Brasil, para mim, é isso: a convivência diária com a mais total insegurança. Não a tão falada insegurança ligada à violência. Essa, obviamente, também tem seu papel — não fosse por ela, eu teria dormido melhor com as janelas abertas. Mas o duro mesmo é você acordar de manhã pensando que vai fazer isso e aquilo e descobrir que você não decide nada, e que deve dar graças a Ele lá em cima se conseguir voltar para casa, pelo menos, de pés secos. É a insegurança de tentar planejar, sabendo que tudo pode e provavelmente vai sair ao contrário. A insegurança de saber dos seus direitos, mas saber também que nem todo mundo está ligando para isso. Coisas pequenas, como pagar 25 reais por uma recarga do seu pré-pago, o código ser recusado como inválido e ninguém dar jeito nisso, mesmo que você tenha feito tudo direitinho. Coisas como ver a insulina da sua mãe se estragar na geladeira e não conseguir falar com alguém na Light para ter uma previsão de quando a luz vai voltar. Coisas como pedir uma informação em órgão público e ouvir três respostas diferentes no mesmo departamento.  Isso é estresse.

Para relaxar, eu tento ver o que eu ganho no meio disso tudo. O jogo de cintura policrônico já foi vantagem várias vezes na Alemanha. Por outro lado, foram os monocrônicos que me ensinaram a usar de verdade uma agenda, e foi com eles que descobri que uma hora não tem mais ou menos 60 minutos. São 60 e ponto final. Não acredita? Então pergunte a um motorista de ônibus alemão!

7 Comentários

Arquivado em Alemanha, Brasil, Cultura, Hábitos, Uncategorized

Cihad, a dentista e nossos nomes

Esse caso saiu ontem no jornal de Stuttgart e achei digno de ser incluído aqui, já que trata de uma questão que é um dos primeiros motivos de discussão quando culturas diferentes se encontram: os nomes.

Na cidade de Donaueschingen, o adolescente Cihad, de descendência turca, foi ao dentista. O médico que costumava atendê-lo não estava e sua ficha foi entregue à dentista de plantão. Esta, ao ler o nome na ficha, não gostou, foi à sala de espera e perguntou ao garoto se seu nome, conhecido também com a grafia Jihad, significava mesmo “guerra santa”. O menino disse que sim e a dentista, então, recusou-se a atendê-lo, alegando que considerava seu nome “uma declaração de guerra a todos que não são muçulmanos”. O adolescente, aos prantos, ligou para o pai, que foi buscar o filho indignado e tomar satisfações com a médica. Esta, por sua vez, ficou surpresa ao ouvir que o nome tem ainda outros significados, como “esforçar-se pelo bem”, pediu desculpas, tentou contornar a situação, mas já era tarde.  O caso chegou até a imprensa turca e está dando o que falar.

Acredito que nem seja preciso discutir com que direito uma dentista se recusa a tratar de alguém por causa de um nome — nenhum. Mas o que leva alguém a entrar em pânico à mera visão do nome Cihad? E como é possível que numa região onde 12,5% da população é de emigrantes, sendo que a grande maioria destes é de turcos, ainda existam pessoas totalmente desinformadas e alheias a fatos banais de uma cultura com a qual estão em contato diariamente? E que efeito um nome pode ter se usado dentro de outro contexto?

Sou capaz de apostar que a dentista do nosso caso, assim como a maioria dos habitantes na Alemanha (sejam eles de que nacionalidade forem), já comeu um dia um kebab e compra regularmente suas frutas em algum mercadinho turco a poucas quadras da sua casa. Essas lojinhas estão por todo lado, a ponto de o escritor João Ubaldo Ribeiro já ter declarado há anos, em seu livro Um Brasileiro em Berlim, que o döner é o verdadeiro prato típico alemão. Mas o contato com essa cultura de temperos diferentes tende a parar por aí, no estômago ou em algumas palavras trocadas no caixa, enquanto as compras são empacotadas. Raramente nos arriscamos a ir além e satisfazer a própria curiosidade.  Se o acaso não nos oferece um contato pessoal maior, seja através de amigos, relações profissionais mais intensas ou até laços familiares, ficamos à mercê do que a imprensa propaga ou do eterno “ouvi-dizer”. Foi nessa armadilha que a dentista caiu.

E se alguém um dia disse que os olhos são a porta de entrada da alma (eis um bom exemplo de “ouvi-dizer”, pois não faço a menor ideia de quem foi o autor desta), o nome é o nosso cartão de visita e, dependendo do contexto, podemos ser bem-vindos ou bater com o nariz na porta, sem nem saber a razão. Eu, por exemplo, sempre fui Bete, assim mesmo, com T-E. No Brasil, é essa a única dúvida que surge e a única explicação que tenho que dar. Tenho uma prima que tinha exatamente o mesmo nome e sobrenome que eu, até casarmos, com a diferença de que ela era a versão T-H. Mas ambas somos Betes, ou Beths, ou Bétis, enfim, tanto faz, todo mundo entende. No contexto brasileiro, eu não preciso me explicar.

A coisa mudou de figura quando trabalhei com americanos. Quando eu dizia meu nome,  a reação era um question mark estampado na cara da pessoa. Então eu explicava que era a forma curta de Elisabete e vinha um “Oh yes, Liz!”. Foi assim durante muito tempo. Para os americanos, eu era Liz, ou Elizabeth, como a atriz dos olhos azuis e a rainha. Para os alemães, o sobrenome do casamento facilitou e eu virei Frau Köninger. Mas entre amigos e familiares, eu era a Bêêête, o que sempre me dava a impressão de estar sendo chamada de beterraba (rote Bete), ou de ser simpatizante do partido comunista. Até que um amigo brincalhão teve a ideia de escrever meu nome de um jeito que os alemães conseguissem pronunciá-lo corretamente: Bätschi. Ficou horrível, é verdade, mas funcionou.

Esse problema acontece com todo mundo que não tenha a sorte de ter um nome de pronúncia, digamos, “universal”. Mesmo meu marido, que tem um nome muito fácil, no Brasil deixou de ser Alexander (pronunciado Aleksander na terra dele) e se tornou Alexandre. E até o diminutivo Alex sofreu mudanças, já que na Alemanha ele é Álex e no Brasil virou Aléx. Por isso mesmo, muitos brasileiros na Alemanha acabam optando por nomes que permitam a seus filhos circular livremente nas duas culturas, sem perguntas e encheção de saco: Stefan e Ana são os mais comuns. Paulo já complica, pois até a cidade teimam em chamar de Sao Paolo.

Há também casos em que o destino, ou seus pais, parece já colocar empecilhos para você se integrar em determinadas culturas. O garoto Cihad é um bom exemplo. E tem também nosso amigo Foti (uma abreviação do grego Fotios, que significa “luz”), que sonha em viajar ao Brasil um dia e a quem já recomendamos veementemente não usar o apelido quando se apresentar. A não ser, talvez, depois da terceira caipirinha, quando a rodada de piadas começar.

7 Comentários

Arquivado em Alemanha, Nomes, Pronúncia

Dark açaí

Chegou a vez do açaí.

Limão e mamão papaya já são figurinhas conhecidas nos mercados alemães. Até maracujá e goiaba aparecem de vez em quando. A acerola esnobou os mercados e preferiu chegar nas farmácias, camuflada de comprimido e com a fama de “Vitamin C-Wunder”, uma bomba de vitamina C milagrosa. Mas para o açaí, alguém resolveu inventar algo novo. Colocaram o suco da fruta numa elegante lata preta, deram-lhe um nome purista  – Schwarze Dose 28 – e rotularam a coisa de bebida energética, ou melhor, energy drink, que é muito mais cool. O resultado é isso aqui embaixo.

A nova moda do açaí. Será que pega?

O Açaí chegou à Alemanha como a Gisele Bündchen – ninguém percebeu ainda que é produto brasileiro. A embalagem é bem estilo Fashion Week, combina com as roupas descoladas e a decoração fria dos clubes. E a propaganda ainda promete energia suficiente para encarar um dia de 28 horas, ou seja, dá e sobra para sair da balada diretamente para a reunião com a chefia.

Só fico imaginando é que nome a fruta vai acabar levando nas bocas alemãs. Um pequeno teste entre amigos deu 80% para “akaí”. O resto ficou com “akai”, ou “assai” entre os que falam um pouco de francês e já sabiam o que é uma cedilha.

Os produtores do suco devem ter pensado nisso ao escolher um nome exclusivamente  alemão. Resta saber se uma frutinha tão simpática e inofensiva como o açaí vai tirar de letra seu novo papel de vampe na noite alemã.

1 comentário

Arquivado em Alemanha, Publicidade

Silvester e São Silvestre

Quando estamos na Alemanha, nossas passagens de ano costumam ser assim: um frio de rachar, todo mundo na varanda, envolto em luvas e cachecóis, com uma taça de champanhe na mão, batendo os dentes, contagem regressiva até os fogos estourarem pela cidade, todos se abraçam, “Alles Gute im neuen Jahr!” e ficamos ali tiritando e vendo o céu ser tomado por chuvas brilhantes de todas as cores. Depois de dez minutos, ninguém mais aguenta e voltamos para a sala quentinha, onde mais champanhe nos aguarda e uma sopa de lentilha, para aquecer e dar sorte. Isso é Silvester.

No Brasil, é óbvio, ninguém fica tiritando na varanda. Estamos pouco abaixo do Equador, onde, sabidamente, todos andam quase pelados e suando em bicas. Eu nunca fui muito chegada a festas de arromba e só virei o ano uma única vez em Copacabana – honra seja feita, gostei. Mas minha maneira preferida de festejar a chegada do ano novo, quando estou no Brasil, é na beira de alguma praia menos visitada, de bermuda, camiseta e havaianas, com minha família e alguns amigos por perto. Sem alardes, sem grandes expectativas, com alguma tranquilidade, abraços sinceros e uma bebida gelada para matar a sede. Para mim, isso é começar o ano com o pé direito.

Este ano, porém, nem uma coisa, nem outra. Nossa viagem para a Alemanha foi justamente na noite do dia 31. Pela primeira vez, íamos passar a meia-noite longe de tudo, numa cabine de avião. Muita gente tentou nos consolar, dizendo que as companhias aéreas costumam servir champanhe ou algum extra por conta da data especial. Outros nos olhavam com uma certa compaixão. Mas nós estávamos satisfeitos, sabendo que íamos economizar uns 400 euros por pessoa escolhendo esta data. Só não contávamos com um detalhe: a chuva torrencial que assolou o Brasil em dezembro e transformou a nossa partida numa pequena aventura.

Já no dia anterior, depois de passar a manhã na praia, um temporal nos obrigou a ficar em Niterói até tarde da noite, esperando a situação nas ruas melhorar. Enquanto isso não acontecia, o carro da minha irmã enguiçou e teve de ser rebocado, deixando-a na chuva com um grupo de visitantes vindos do Nordeste para o fim de ano na cidade maravilhosa. Levei uma parte do grupo para casa no meu carro, mostrando algumas das nossas maravilhas: ruas inundadas, camuflando buracos insuspeitados, e motoristas de ônibus decididos a nos mostrar quem manda nas ruas, quer dizer, eles. Em um trecho particularmente cheio d’água, um ônibus vindo no sentido contrário e dois que nos ultrapassavam pela direita me deram a sensação de estar dirigindo sob as Cataratas do Iguaçú. Durante alguns segundos, não vimos nada além de água, muita água por todos os lados. Momentos inesquecíveis para os turistas dentro do carro, inclusive o meu alemão, que já é de casa, mas que, naquele momento, perdeu todo o bronzeado adquirido na praia.

Chuva à vista

Até aqui, estava tudo bem.

Depois de passar a tarde e parte da noite esperando a chuva estiar, lá fomos nós a caminho da ponte e da Linha Vermelha, rezando para que a água já tivesse baixado e para não encontrar pelo caminho os motoristas dos três ônibus assassinos. Chegamos sãos, salvos e secos. A chuva continuou durante toda a noite.

No dia seguinte, céu nublado, mas sem chuva, fizemos as malas e nos preparamos para sair de casa com antecedência. O caminho de casa até o Galeão não leva mais que uns 15 minutos, então saímos umas três horas antes. O que não sabíamos é que tinha começado a chover novamente no outro lado da cidade e que a Avenida Brasil estava, mais uma vez, alagada. E Avenida Brasil intransitável significa ruas interditadas na Ilha do Governador. Antes de chegar à via principal do bairro, já enxergamos o mega engarrafamento de longe. Dei meia volta e peguei uma via alternativa, mesmo não gostando da ideia de passar por uma favela e temendo os efeitos da chuva ali também. No meio do caminho, depois da favela, deparamos com um grupo de carros parados. Quando vimos alguns subindo na calçada, já sabíamos: água. E não era pouca. Um carro da polícia tentava atravessar pela calçada, também já coberta pela água. Havia três carros atolados na lama do canteiro central, depois de tentar atravessar para a pista na contramão, um deles uma picape. De cara para o mar barrento à minha frente, fiquei esperando enquanto uma outra caminhonete atravessava o aguaceiro, deixando atrás uma pequena pororoca. Quando o fenômeno acabou, respirei fundo, engatei a primeira e lá fui eu com o pé no acelerador e todos os santos ajudando, mais a torcida do marido que repetia “vai, vai , vai, vai”. Quando cheguei do outro lado e o carro continuou andando, senti falta de um pódio para subir e pegar meu troféu. Mas era cedo para isso.

Faltando uns 100 metros para pegar a rua que leva ao aeroporto, ficamos presos num trecho do engarrafamento gigante que paralisava o trânsito na Ilha. Levamos uma meia hora para sair dali, usando de todos os recursos para nos adiantar: cortar caminho pelo ponto de ônibus, subir um trecho na calçada, buzinadas, xingamentos, súplicas e a mão pela janela, com o polegar para cima, dando um “aí, valeu” a todos que nos deixavam passar. Quando finalmente entramos para o Antonio Carlos Jobim, juro que tive vontade de cantar o Samba do Avião, pois minha alma realmente cantava, embora o motivo não fosse a água brilhando, mas a pista chegando.

No fim, tudo deu certo. Carro entregue, vistoria feita sem problemas, check-in rápido, deu até tempo de comer um último pão de queijo e comprar revistas na sala de embarque. Foi a nossa corrida de São Silvestre.

O epílogo foi menos emocionante. Pegamos a conexão em São Paulo e ficamos aguardando a decolagem na pista, vendo os fogos da meia-noite pela janelinha. A tripulação anunciou uma taça de espumante como cortesia para todos os passageiros, mas devem ter calculado mal a quantidade, pois a nossa e outras fileiras vizinhas ficaram só na vontade. Foi o primeiro ensinamento do ano: não adianta ficar sentado esperando, tem que correr atrás para conseguir o que se quer. Que venha 2010!

7 Comentários

Arquivado em Alemanha, Brasil, Hábitos, Viagem