Arquivo da tag: traduções urgentes

Sobre traduções urgentíssimas e pedidos de “socorro”

A Bete já andou falando aqui sobre a questão das cobranças de taxas de urgência. Essa é uma discussão que dá muito pano para manga e tem vários artigos escritos sobre o assunto nos blogs dos colegas e no nosso também.  🙂

Eu quero colocar agora a questão que vem depois do tradutor ou da tradutora ter acertado (ou não) uma taxa com o cliente. Aquele mesmo cliente que ligou desesperado dizendo que o mundo irá acabar, que a empresa irá falir, que a terceira guerra mundial irá começar, enfim que qualquer catástrofe de proporções gigantescas irá acontecer se você não entregar a tradução naquele dia e naquela hora.

Vejam bem, não estou discutindo a questão da famosa “deadline”. Quem está na estrada faz um tempo, também sabe que os coordenadores de projeto trabalham sempre com prazos apertados e calculam sempre uma margem de tempo (os coordenadores que sabem trabalhar!) para o caso de REALMENTE acontecer algo.

Pois estou aqui para dar minha cara a tapa e dizer que caí no “conto do vigário“. Dia desses me liga uma infeliz dessas, fazendo o “discurso da catástrofe” (caí no tal conto porque trabalho faz tempo com a empresa e não acreditei que fossem fazer isso comigo. Fui muito ingênuo), e pedindo para entregar no tal dia porque senão blá, blá, blá…

No meu caso não tinha urgência, mas um pedido para “encaixar” a tradução entre os projetos. Já tinha muito trabalho, mas como é cliente antigo aceitei e entreguei a tradução na data combinada porque o documento tinha de ser entregue “vermeintlich” (supostamente) naquele mesmo dia. Como naquelas cenas de filmes (4 dias depois…), a danada me liga dizendo que estava revisando o texto e tinha uma pergunta a fazer sobre algo. Eu prontamente perguntei porque ela estava ligando agora se a tradução tinha de ser entregue 4 dias atrás e ela me respondeu que o cliente tinha estendido o prazo (só eu não fiquei sabendo dessa) e que não tinha tanta pressa mais.

O que quero dizer é que, como se diz em alemão “im Eifer des Gefechts”, na pressa, (porque está com algo para fazer ou qualquer outro fator), você acaba aceitando o trabalho, inclusive porque é cliente antigo, como no meu caso. Mas não se irrite ao cair nesse “conto do vigário”. Estamos todos sujeitos a isso.

PS da Bete: Essa beleza de tira que o André publicou aí no topo, para quem ainda não sabe, é trabalho do colega tradutor Alejandro Moreno-Ramos, que há anos nos brinda com seu genial Mox’s Blog. Tudo o que você sempre soube sobre a nossa vida de tradutor, mas não sabia como explicar, está lá. Não perca!

2 Comentários

Arquivado em Agências, Clientes